.

I N T E R N A U T A S -M I S S I O N Á R I O S

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Comentário Prof.Fernando


Comentário Prof.Fernando (*) 32ºdom.Comum 11novembro de 2012
– confiar na Palavra ou confiar no “dinheiro” –
( 1Rs 17,10-16 --- Sl 146 --- Hb 9,24-28 --- Mc 12,38-44 )
A farinha da vasilha não acabou nem diminuiu o óleo da jarra
uma vez por todas, ele se manifestou para destruir o pecado
cuidado com os doutores da Lei! Gostam de roupas vistosas e de ser cumprimentados nas ruas
Todos deram do que lhes sobrava, mas ela, pobre, ofereceu tudo o que possuía.

A viúva e o profeta. E a comida não vai faltar.
·         Elias: primeiro, maior dos profetas antigos. Nos episódios contados na Bíblia: histórias de gente que acreditou e teve confiança no seu Deus. Milagres, curas, devolução da vida a quem morreu, acolhimento a estrangeiros aberto a todas as pessoas de boa vontade -  histórias que continuam com o seu discípulo Eliseu. No texto de hoje: uma viúva (na Bíblia, símbolo de pessoa desamparada naquela sociedade patriarcal) é quem acolhe Elias em sua casa e cuida de sua alimentação. Dar apoio ao profeta era um modo de aceitar sua missão e a mensagem que ele trazia em nome de Deus. Daí a promessa de que nunca faltaria o “pão-nosso-de-cada-dia” como resposta àquela entrega, na confiança. É o que se chama Fé. O “pão nosso de cada dia” também não se reduz a farinha e azeite. A fé é acreditar – mesmo em tempos de carestia ou adversidades na vida – que o Criador cuida, de forma misteriosa, de quem criou.
O único resgate do único redentor
·         A carta aos hebreus diz que não é mais necessária a religião nem os cultos com suas súplicas e oferta de sacrifícios sempre repetidos, para alcançar uma redenção. Assim como se morre apenas uma vez, também Cristo morreu uma única vez. A oferta e a entrega de sua vida, na confiança ainda maior que a da viúva de Sarepta, incluiu também a angústia. Em tuas mãos entrego minha vida, foi sua última palavra na vida, precedida por aquela pronunciada diante da morte iminente: ”meu pai, meu pai, por que me abandonaste?”. Esta auto-doação estava concentrada igualmente num outro Sinal ou Sacramento (já que o “segundo mandamento é semelhante ao primeiro”) dito na véspera: “isto é meu corpo, esse é o meu sangue, entregues em favor de muitos”.
·          A substituição de toda religião, rito ou sacrifício, pelo Cristo, vale para toda a raça humana, da qual ele é o vértice, o cume, a plenitude ou o resumo. A isso chamamos na linguagem cristã de Redenção. Uma única vez, isto é, no tempo de uma única vida (e Jesus de Nazaré teve uma vida curta, não muito além dos 30 anos). Nele se resume ou se concentra toda a humanidade. Nas linguagem de Paulo e nos muitos hinos usados pelas primeiras comunidades (cf. Epístolas do Novo Testamento) diz-se que nele está concentrado o próprio universo das coisas criadas, visíveis e invisíveis.
·         Esse “pontinho” da história humana é – como se fosse um Big-Bang da teoria da cosmologia. É o “primeiro momento” ou “o ponto de mutação” de tudo, principalmente das capacidades e potencialidades humanas. Com efeito, em Cristo o ser humano recebe o dom supremo da chamada “vida eterna” que nada mais é do que a possibilidade ou passagem para o nível da “divinização”, isto é, poder compartilhar da mesma vida do seu Criador.
A religião dos que gostam de aparecer e a fé da outra viúva
·         Duas lições do Mestre: tenham cuidado com os que usam a religião “para serem vistos“, pois eles usam as pessoas do mesmo modo que os gestos e os símbolos. Ao escritor (Marcos) interessava advertir as comunidades da época para ter atenção diante dos seus dirigentes que fossem falsos como o Mestre fez frente aos “doutores”.
·         A segunda observação completa a primeira. Os “intelectuais” e “donos” da religião se aproveitam do povo, ao passo que uma mulher simples e pobre se torna referência ao doar tudo o que tinha. Confia totalmente em Deus. Doou “mais que ninguém’. De fato era mais “rica” do que os ricos, que contribuíam com grandes somas de dinheiro. Ela é apontada pelo Mestre como modelo para os dirigentes da sua futura igreja.

oooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooo
·          http://homiliadominical2.blogspot.com.br  (*) Prof.(Usu-Rio) com mestrado (educação, teologia e teologia moral)

Nenhum comentário:

Postar um comentário