.

I N T E R N A U T A S -M I S S I O N Á R I O S

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Comentário Prof.Fernando


Comentário Prof.Fernando (*) domingo 06 janeiro 2013 – EPIFANIA
– a luz que permite ver –
acende as luzes, Jerusalém, porque chegou a tua luz -- a terra envolvida em trevas e nuvens escuras cobrem os povos, mas sobre ti apareceu o Senhor e sua glória já se manifesta sobre ti. Is 60,1-6 Os pagãos são admitidos à mesma herança Ef 3,2-6
 Nós vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorá-lo -- ao verem de novo a estrela, os magos alegraram-se muitíssimo com enorme alegria Mt 2,1-121

A realização da paz depende sobretudo do reconhecimento de que somos, em Deus, uma única família humana.(Bento16 - mensagem do dia mundial da paz 1janeiro2013)

As luzes do Natal derramam-se por todo o universo
·                    No início do cristianismo Epifania (=Manifestação, revelação – festa que os ortodoxos chamam de Teofania = manifestação de Deus) incluía a memória do Nascimento, a adoração dos magos, a infância de Jesus (circuncisão e apresentação no templo) e o seu batismo por João. Mais tarde houve desdobramento da Epifania (que, no calendário católico, passou de 6 de janeiro para o 1ºdomingo). Como no Lecionário Comum Revisado, usado pela maioria das igrejas cristãs, o Natal é comemorado em dezembro e o Batismo de Jesus no 1º domingo após a Epifania.
·                    Assim como Páscoa e Pentecostes substituíram antigas festividades judaicas, Epifania certamente ocupou o lugar da Festa das Luzes, que era uma das festas menores no calendário judaico. Ela recordava aos judeus a retomada do culto no século II a.C. (contra as imposições dos gregos – sucessores dos persas no domínio da região). Celebrava-se a restauração do Templo e do culto e, ao mesmo tempo, a reconquista da autonomia judaica. Isso dava à Festa um duplo caráter: religioso e também político – era restauração da nação, apesar do domínio estrangeiro. Por isso o Hanukáh torna-se poderoso símbolo da liberdade de culto para todos os povos.
·                    É das luzes que fala a profecia de Isaías. Chegou a luz, são dispersadas as nuvens perigosas porque apareceu o Senhor e sua glória. É a epifania, manifestação, de Deus. Na história dos Magos também aparece uma Estrela que se tornou símbolos da luz que orienta a busca do Salvador. A epifania, Deus que se manifesta a nós, é motivo de enorme alegria, como o texto repetitivo de Mateus: o verbo significa “alegrar-se muito” ao qual se acrescenta o advérbio “muitíssimo”. Outra insistência: alegraram-se de alegria. E enorme!!!

As luzes são dadas a todos os povos
·                    Epifania vem lembrar-nos do sentido do Natal. Ele veio não só para os cristãos, como lembra o texto paulino: também os pagãos se tornam herdeiros. Os magos representam outros povos. Não eram judeus, mas procuravam a salvação. Eram estudiosos e sábios, mas souberam seguir a Luz que se manifestou para levá-los até o pequeno rei sem palácio. Enquanto isso, Herodes, como todos os grandes da Terra, só pensa no seu poder e os sumos sacerdotes e os mestres da Lei não receberam a luz.
·                    Deus se manifesta a judeus e cristãos, a pessoas que crêem e também aos não crentes, aos indivíduos e a todos os povos. Deus assumiu a natureza humana e agora está entre nós. Os pagãos, os “de fora”, que passam a vida procurando, às vezes chegam antes das religiões ao verdadeiro contato com a Salvação. Deus está bem perto, o menino no presépio está disponível para iluminar todas as pessoas. A palavra de Paulo resume a Epifania: os pagãos são admitidos à mesma herança.
·                    Será nosso comportamento como o de Herodes? Ele pergunta e investiga por medo de perder o poder (deste mundo). Ou será como o dos sacerdotes e mestres da lei? Tudo sabem de religião, mas são incapazes de reconhecer a Presença de Deus no mundo. Ou temos um coração como o dos magos? Eles encontraram sua maior alegria no seguir a Luz. E, entrando na casa, diz Mateus, viram o Menino e sua Mãe. No entanto foram capazes de reconhecer Deus no mistério do Tempo presente.

oooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooo
http://homiliadominical2.blogspot.com.br  (*) Prof.(Usu-Rio) Educação, teologia e ética.

Nenhum comentário:

Postar um comentário