.

I N T E R N A U T A S -M I S S I O N Á R I O S

sábado, 14 de setembro de 2013

Comentários-Prof.Fernando

Comentários-Prof.Fernando*-(17ºpPent./24ºdom.T.Comum)    15 setembro 2013

– quanto vale uma moedinha? –
Segue o resumo dos textos (como indicados no calendário católico (rito romano). Entre parênteses constam leituras alternativas (cf. Lecionário Comum (LCR). Dia 15.08, para os ortodoxos é o “1º domingo depois da Festa da Santa Cruz”. Fizeram um bezerro de metal fundido, inclinaram-se em adoração diante dele e ofereceram-lhe sacrifícios : Ex 32,7-11.13-14 (alternativa= Jr4,11-12.22-28); ... a mim, que antes blasfemava, perseguia e insultava; mas encontrei misericórdia, porque agia com a ignorância de quem não tem fé - 1Tm 1,12-17; os fariseus e os mestres da Lei criticavam Jesus. Então ele contou parábolas: um de vós tem 100 ovelhas, perde uma, deixa 99 e sai à procura da perdida.. uma mulher perde uma moedinha (tinha 10) e varre e procura até achá-la...- Lc 15,1-32 (inclui a parábola do “filho pródigo. A “leitura breve” vai até v.10).
– era um escândalo!! –
·                     (O que segue está baseado em texto do teólogo espanhol Jose A. Pagola: “O gesto mais escandaloso”). Sem dúvida o gesto mais provocador e escandaloso de Jesus de Nazaré foi sua forma de acolher com simpatia especial pecadoras e pecadores (eram excluídos pelos dirigentes religiosos e ficavam marcados socialmente por sua conduta “à margem da Lei”). O que mais irritava fariseus e doutores da lei era o costume de Jesus estar à mesma mesa com aquelas pessoas.
·                     Em geral não prestamos atenção ao fato de que tais gestos criavam uma situação absolutamente nova na sociedade daquele tempo. Os “pecadores” e outros “excluídos” não se afastam mas até se sentem atraídos pela personalidade e pela mensagem de Jesus. Escreve Lucas: costumavam aproximar-se dele para escutá-lo. Porque não encontravam acolhida e compreensão em nenhum outro lugar.
– todo mundo é “pecador” –
·                     É óbvio que todo mundo tem seus bezerros de ouro, aos quais se presta culto, se adora em vez do Único que pode ser adorado. Todo mundo também, como Paulo de Tarso, de vez em quando insulta ou faz mal a outros (no texto diz que a “ignorância” é grande e a fé é pequena). O problema é que alguns se acham superiores aos “pecadores’. No texto de Lucas a reação da “gente de bem” era: como pode um homem de Deus comer na mesma mesa com essa gente pecadora e desprezível? Jesus sabia que Deus não está nessa figura de juiz furioso, jogando raios como Zeus (como divulgava a religião dominada pelos “donos” do povo). O Pai (nome dado por Jesus) conhece o coração dos filhos. Não exclui ninguém. Sabe perdoar os desvios humanos na vida. Ele cura por dentro, libertando as pessoas da vergonha, humilhação e medo (que provinham mais do tratamento recebido do que das próprias culpas). Não é verdade que no fundo, no fundo, nossa “imagem” de Deus é “negativa”? Estamos cheios de ideias tortas. Nascidas talvez da leitura ingênua da Bíblia tida como uma escritura “mágica”, isto é, como se tivesse sido “ditada” por Deus aos escribas antigos. Mas certamente são ideias inculcadas ou pela doutrinação de pregadores irresponsáveis; ou por tradições – humanas, dizia Jesus – históricas, isto é, válidas num contexto não em outro; ou até mesmo por comportamentos fanáticos ou “devoções” que se tornam “bezerros de ouro”.
·                     A imagem verdadeira do Pai pode ser “recuperada” na bíblia hebraica e, para os cristãos, também nos evangelhos e outros textos do Novo Testamento. De modo especial, as parábolas criam imagens mais apropriadas de Deus e do Homem. Além do “filho pródigo” que retorna (seu pai faz uma festa) outras comparações frisam a importância de cada indivíduo. Pode ser 1 sobre 99... pode ser uma moedinha... Achar de novo, recuperar, é sempre motivo de festa. Quer dizer: Deus fica alegre pelo filho que volta. Deus faz festa. Deus se comove. Deus é bom.
·                     É nisso que acreditam os cristãos? Ou a bíblia (ou o cristianismo) é mais uma “mitologia” entre outras? Ou é um catálogo de normas? Ou será que serve como um belo manual de instruções para preenchimento da “guia” de pagamento das “taxas” e “imposto devido” ao governante supremo do mundo (mais conhecido como “Deus”) ?
  • ooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooo

( * ) Prof./consultor (filos. educ. teol. ética) fesomor2@gmail.com]

Nenhum comentário:

Postar um comentário