.

I N T E R N A U T A S -M I S S I O N Á R I O S

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Comentários-Prof.Fernando

Comentários-Prof.Fernando*-(20ºpós-Pent.: 27ºdom.T.Comum) para 6 outubro 2013

– apesar do mistério do mal –
·                  Até quando devo gritar a ti: "Violência!", sem me socorreres? - Por que me fazes ver iniqüidades, quando tu mesmo vês a maldade? - mas o justo viverá por sua fé = Habacuc 1,2-3; 2,2-4 (a leitura alternativa-cf.LCR- é: Lamentações1,1-6) O livro de Jó, posterior ao texto de Habacuc, gritará ainda mais fortemente a queixa humana diante do problema do mal e, em particular, da perseguição dos bons. São lamentos que também aparecem na boca de Jeremias. A Fé enfrenta também a dureza de continuar acreditando que nos caminhos paradoxais traçados por Deus existe misericórdia e salvação, mesmo quando não compreendemos. A carta de Paulo a seu discípulo e amigo Timóteo – escrita quando o Apóstolo era prisioneiro em Roma – também fala da perseguição e pede: Não te envergonhes do testemunho de Nosso Senhor nem de mim, seu prisioneiro, mas sofre comigo pelo Evangelho, fortificado pelo poder de Deus – O Espírito Santo habita em nós. Vergonha, timidez e medo são o sinal da fraqueza de nossa fé. Mas a força nos vem do próprio criador, pelo dom (=doação; graça) da Fé (2Tm 1,6-8.13-14).

– pequena como uma semente –
·                   O pedido dos apóstolos é nossa oração diária: aumenta nossa fé. A resposta do Mestre é que mesmo “pequena” (como uma semente) é pela Fé que se pode realizar o impossível. De fato nem é preciso “grande” fé, pois a parábola visa dizer exatamente isso: até do tamanho de uma semente pode-se realizar coisas incríveis. O objetivo do Mestre aos discípulos que vão ter uma missão muito importante e não um trabalho para lucros ou remuneração. Ele aproveitou o entendimento existente em sua cultura onde “ser discípulo” é mais do que decorar ensinamentos, doutrina ou “catecismo” aprendidos com o Mestre. O discípulo na antiguidade em geral procurava ser “como o Mestre”, procurando aprender com suas atitudes e gestos e viver como ele. Neste caso o “seguimento” implicava o “Servir” como ele, que deu sua vida pelos amigos. Por isso a parábola dos empregados que fazem o que tinham de fazer ou de “servos inúteis”.(Lc 17, 5-10).

– o servo não é maior que seu senhor –
·                  O ápice ou o foco da parábola é: aquele que serve faz o que está mandado fazer (o servo da parábola retorna do campo onde tinha encargo de lavrador e onde cuidava do gado). E – aplicando a parábola o que “deve fazer” o discípulo? Qual é essa obrigação ou dever, o “que foi mandado”? Aqui o verbo, no texto original, ajuda-nos a compreender: “o que foi ordenado, colocado numa certa “ordem”. É nova essa ordem, depois de Cristo. Esse novo posicionamento, ordenamento, essa nova “configuração” é conhecido como “novo mandamento”. A comparação do “servo” (que cumpre aquilo para que “o Pai” o enviou) está resumido nas palavras e no gesto do lava-pés da ceia eucarística, daquela última e definitiva páscoa.(cf. Jo13,13ss):
Vocês dizem que eu sou o Mestre e o Senhor. E vocês têm razão; eu sou. Pois bem: eu, que sou o Mestre e o Senhor, lavei os seus pés; por isso vocês devem lavar os pés uns dos outros.Eu lhes dei um exemplo: vocês devem fazer a mesma coisa que eu fiz. Eu garanto a vocês: o servo não é maior do que o seu senhor, nem o mensageiro é maior do que aquele que o enviou.(...) Eu dou a vocês um mandamento novo: amem-se uns aos outros. Assim como eu amei vocês, vocês devem se amar uns aos outros. Nesta “diakonia”, neste serviço, consiste o “novo” mandamento deixado pelo Mestre. Se vocês tiverem amor uns para com os outros, todos reconhecerão que vocês são meus discípulos.(verso34).

– o diferente (no meio do mal que existe) é uma “prática” –
·                  Não importa tanto se é “pequena” ou grande a Fé. O que importa é compreender que, com a força que vem do Mestre podemos ser como ele e, então, praticaremos o “serviço” com alegria e felicidade, que chegarão à plenitude na “glorificação” (isso é a “segunda vinda do Cristo”, mas tem gente discutindo “trombetas do apocalipse” como “o sexo dos anjos”...).
·                  Se compreenderam isso, sois felizes se o põem em prática (Jo 13,17).
[no vocabulário original “se entenderam” = “viram”, isto é, “se perceberam, caíram na conta”... ]

ooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooo

( * ) Prof./cons.(filos. educ. teol. ética) - fesomor2@gmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário